Bio

























Wikipedia BIO - https://en.wikipedia.org/wiki/Carmen_Souza

Carmen Souza was born in Lisbon (81) within a Christian family of Cape Verdeans. 
Very early she experienced the “Sodade” feeling of missing someone with the long absence of her father due to his work at sea. She grew up in a mixed language environment of Creole, the Cape Verde dialect her parents spoke at home, and Portuguese, always surrounded by the Cape Verdean way of life.

Theo Pascal, her producer, and mentor and one of the best bass players in Portugal, discovered her talent and introduced Carmen to Jazz and other contemporary sounds that markedly influenced her musical development.
Musicians like Theo Pascal, Horace Silver, Ella Fitzgerald, Billie Holiday, Nina Simone, Joe Zawinul, Herbie Hancock, Keith Jarret, Bill Evans, Miles Davis, etc, truly inspire her evolution and search for a unique personal style.

In 2003, Carmen began working with Theo on the compositions that would be included on her début album Ess ê nha Cabo Verde. Carmen wanted to create a new sound, in her ancestor’s dialect Creole, that would mix traditional African and Cape Verde rhythms like Batuke, Morna, Cola djon, and others, with her jazz contemporary influences, in a totally intimate and acoustic vibe, different from the traditional festive environment of Cape Verdean sounds.

"Ess ê nha Cabo Verde", was released two years later in 2005 to critical acclaim and led to her international breakthrough performance at the WOMAD at Reading Festival of the same year.

In “Verdade” her second album, which She co-produces and features on Wurlitzer and guitar, released in 2008, Carmen Souza signs an exciting and melodically vibrant repertoire in Creole that once again received amazing reviews from the International Press worldwide.

After 2 critically acclaimed albums, Carmen Souza returns in 2010 with the impressive "Protegid" (Protected), her debut record with German label Galileo Music.
In this cd, the music blends perfectly with elegance and sophistication the African and Cape Verdean traditional rhythms with Contemporary Jazz and Afro-Latin. Once again the two composers, Carmen Souza and Theo Pascal, present an album that pushes, even more, the limits of what constitutes the Cape Verdean music, World Music and Jazz. Carmen co-produces plays guitar, Rhodes and signs 11 out of the 12 lyrics of the album.

In "Protegid", Carmen Souza singular vocal approach and courageous musical chooses earned her pairing with singers like Billie Holiday, Nina Simone, Cleo Laine, Eartha Kitt or Marie Daulne. Her unique talent as a singer, composer and musician sets her apart from the female crowded Cape Verdean scene and progressively she is consolidating her own space in the World Music/Jazz music.

This new album received outstanding reviews from all over the World and the Press recognizes that something new is being developed in her music.
World Music Central considers the album: “a landmark that will prompt you to embrace and at the same time rethink everything you know and love about the sounds of Cape Verde”, NPR says: “opens a window to another world entirely” and The Independent declares: “the poetic voice is as original as the musical one”.

"Protegid" received a nomination for the German Record Critic’s Award, enters the World Music Charts Europe in April and was included in the list of pre-nominated albums for the Grammy Award for Best Contemporary World Music album. A new edition of Verdade, her second album re-issued in 2010 by Galileo, also enters the WMCE in August and by the end of the year Protegid was included in several lists of “Best World Music Album 2010”.

Carmen Souza has been touring extensively around the World since 2005 and in 2010 she plays big stages like The North Sea Jazz Festival(NL), London African Music Festival(UK) or the Leverkusener Jazztage Festival(DE).
In Leverkusener, Carmen Souza, headlines a double bill with Mariza with an
amazing performance later broadcasted by WDR/3SAT German TV.

Other concerts were also broadcasted around the world by major TV/Radio Channels like CBC(CA), RDP/RTP(PT), RADIO6(NL), etc, and her uniqueness is recognized by Ethnomusicologist Fernando Arenas. A closer look into Carmen Souza groundbreaking work was published in a new book called “Beyond Independence: Globalization, Postcolonialism, and the Cultures of Lusophone Africa” by Fernando Arenas released by the University of Minnesota (USA).

Carmen Souza starts 2011 with a special performance on Italian national television RAI UNO, Concerto Dell Epifania, broadcasted to millions in Italy on the Jan 6, a religious holiday and went on a long tour to sold-out big venues and Festivals and mesmerize audiences and Press in Uk, Brazil, Turkey, Netherlands, Germany, Cape Verde, Latvia, Ireland, Portugal, Finland, Italy, USA, Canada...

Special mention to her first Official North American Tour with 14 dates in several states receiving opening honours at San Francisco Jazz Festival, Monterey Jazz Festival and also performing at Montreal Jazz Festival.
Carmen´s Monterey Jazz Festival concert was web broadcasted live, for the first time in Festival history and transmitted directly by NPR.

Another year highlight was Carmen Souza first concerts in Cape Verde with full coverage in all national press. The concerts receive great reviews from Press and Audience and all recognized her special and unique place in the Cape Verdean music culture.

"In a single song, she delves into the warm and melodic registers of the great jazz divas, only to flee into more contemporary terrain immediately thereafter...the singer cloaks Cape Verdean music in new garb, this distancing herself from what is currently being done by other female Cape Verdean singers…another path for the evolution and renovation of morna or funaná, giving them a new breadth and life." A Semana-Cape Verde

In 2012, Carmen Souza and Theo Pascal released a special live Duo performance recorded in London "London Acoustic Set". This was their first live record and the naked versions of her songs from previous albums receive rave reviews from both the Jazz and World communities. 50% of the sales from this album were donated to SOS Children Villages in Cape Verde and Unicef Brazil.

Carmen Souza’s 4th Album "Kachupa" was released in France and Germany in 2013.
In France, the album entered directly to the official sells Chart for World Music and went number 1 on the Amazon.fr Songwriters bestselling list.
"Kachupada" received a maximum note at Télérama magazine (the French most important musical reviewer) and was supported by Vibrations and Sojazz magazines among other excellent reviews and playlist on national radio RFI. Carmen Souza was also Cover of the Cap Magellan Magazine, the biggest lusophone magazine in France.
In Germany, she released the album with a 13 date tour supported by Jazzthetik Magazine and the album was featured as Cd of the week in Major Radios and highlighted by National Tv.

After the goodbye of the biggest Cape Verdean singer, Cesária Évora, Carmen Souza is named as one of the new generation singers to continue the successful path of Cape Verdean music.

Also in 2013, Carmen Souza won the title of the Best female singer and Best Morna with the album Kachupada at the Cape Verdean 'Grammys'- Cabo Verde Music Awards 2013.

After a hectic year with concerts in Major Festivals and venues all over the World, Kachupada is included in several Best Album lists and Carmen makes it to the #31 Best Vocal at the 2013 NPR Jazz Critics poll together with a position for Best New album right next to all the greats of Jazz in the World.

In 2014 Carmen Souza and Theo Pascal released their first Live CD-DVD recorded at Lagny Jazz Festival in France.
"Live at Lagny Jazz Festival" was nominated for the German Records Critics Award and Carmen Souza was again nominated for Best Female Voice at the Cabo Verde Music Awards.
The cd/DVD made it to Top10 at Amazon.frAmazon.de and Fnac.fr.
A 65 concert tour around the world, closed with a Sold out tour in Germany goes along with this new release.

2015, is time for "Epistola" CD, headed by both Carmen Souza and Theo Pascal names. The album/concert is selected among more than 500 submissions to be included at the JAZZAHEAD2015 official showcase program, the most important jazz showcase event in Europe. The concert features Nathaniel Facey on Sax and Shane Forbes on drums, two of the most innovative new generation Jazz musicians on the London scene.

The Cd was Album of the week - 4 Stars - Music story, TOP 10 Best Jazz cd of the Month - Mezzo TV, Top CDs of the week at German National Radio - BR Bayern2 Kultur, etc...
Receives 4STARS in both JAZZWISE and EVENING STANDARD important publications in UK.
The live recording from the ´Epistola´ Jazzahead concert went on to be Broadcasted by major radios like FIP in France, Catalunya Radio in Spain and RTÉ Lyric fm in Ireland, etc.

Epistola tour 2015/2016 included 76 concerts on important stages around the world in 19 different countries. Carmen Souza ends 2016 with a nomination for BEST AFRICAN JAZZ at the important African Awards AFRIMA.

The Cd "Creology" was released in April 2017, with Theo Pascal, and takes the duo back to their Creole music roots.
The album receives amazing reviews and the public responded with several sold-out shows around the world and entries in several Best of 2017 cd lists. 
The tour (2017-2019) has surpassed the previous one, with more than 100 concerts booked around the world. In November 2017, Creology toured with the Blue Note Club network in Spain, Italy, and China, and Carmen Souza and Theo Pascal's unique sound was included in Gerhard Kubik BOOK "Jazz Transatlantic, Volume II: Jazz Derivatives and Developments in Twentieth-Century Africa" (USA), with a dedicated 7-page chapter to his encounter with Souza and Pascal music. Gerhard Kubik is one of the best-known scholars in the field of ethnomusicology and research in music, dance, and oral traditions in Africa and the Americas.

Towards the end of 2017, Carmen Souza receives a SILVER MEDAL for Cultural Merit by the Government of Cape Verde, officially recognizing her work in the promotion of the Cape Verde name into major National and International recognition. 

In Oct 2019, a new cd totally dedicated to Horace Silver, an emblematic and pioneer hard bop pianist, called "The Silver messengers" was released. Carmen Souza channels her common Cape Verdean/Lusophone heritage to shed new light on Silver´s repertoire. The first single 'Soul Searching' went out in June 2019 to mark the 5th anniversary of his passing and in Aug gets nominated for the AFRIMA AWARDS 2019 (All Africa). The album gets a 4****star review at the Downbeat Magazine in the USA, 4Star review at Songlines Magazine in the UK, is FIP selection album in France,  the cover story of one of the most important jazz magazines in Germany - Jazzthetik - and went on to be included in the most important Europen press charts in both Jazz and World Music: World Music Charts Europe, Transglobal World Music Charts and the Europe Jazz Media Chart (European Jazz Network). In the USA, entered the Jazz Radio chart - Jazzweek.com for 11 months (Nov.2019-Sep.2020).  The press worldwide receives the album with open arms considering it the ultimate tribute to Horace Silver. Corona Virus interrupted a well underway World tour but before the doors were closed Carmen Souza and Theo Pascal  performed an exclusive Live streamed set for Quincy Jones network -  Qwest.
The Silver Messengers tour has become a mission to promote the work of Horace Silver.
Since 2019 Souza and The Silver Messengers have graced stages in more than 10 European Countries. 

Album nº10 - #Interconnectedness - was released on 14.10.2022 by Galileo Music with a successful tour in Germany. 
This album is set to be released in France on the 2nd of Dec. 
Will be presented in Paris on the 24th of January 2023, as part of a luxury double bill with Carmen Souza and Mário Lucio at LA CIGALE to open the 'Au Fil des Voix 2023' Festival. 
Also in January, Carmen Souza will perform her first concert at the legendary Jazz Club - Ronnie Scott´s - in London. 

Undoubtedly, Carmen Souza has become a true world music force and one of Europe's most in-demand jazz singers, as someone said: "Carmen Souza does not have to decide whether her music is Jazz or 'World Music'. Her style is just as unique as convincing and her Cape Capeverdean roots are as evident as her desire to create a new language under the label of 'World Jazz'.

«…Carmen Souza’s … influences from her Cape Verdean background to jazz and modern soul creating this beautifully vibrant, largely acoustic, accessible hybrid. World soul music for the 21st century. …» 
~ David Sylvian

AWARDS:
2017 Silver Medal for Cultural Merit from the Cabo Verde Government (CV)
2013 Cabo Verde Music Awards for Best Female Singer (CV)
2013 Cabo Verde Music Awards for Best Morna (CV)

NOMINATIONS:
2019 Nomination for Best African Jazz @AFRIMAAWARDS (All Africa) 
2016 Nomination for Best African Jazz @AFRIMAAWARDS (All Africa)
2017 Grammys consideration list Best Contemporary 
World Music record (USA)
2015 Cabo Verde Music Awards Nomination for
Best Female Singer (CV)
2014 German Records Critics Awards Nomination for
'Live at Lagny Jazz Festival' (DE)
2013 Cabo Verde Music Awards Nomination for
Best Kola Sanjon (CV)
2013 Cabo Verde Music Award Nomination for
Best Acoustic Album (CV)
2013 - 31ºBestjazzsingers NPR Music Jazz Critics Poll (USA)
2010 - German Records Critics Awards Nomination for
'Protegid' (DE)
2010  Grammys consideration list Best Best Contemporary
World Music record (USA)


SHOWCASES:
2015 Jazzahead official showcase (DE)
2013 Mercado de Musica Viva de Vic official Showcase (SP)
2010 Mercado Cultural Official Showcase (BR)

EDUCATIONAL WORK

In 2009 Carmen Souza was invited to perform at the University of Minnesota by Fernando Arenas, a Scholar of Lusophone culture and Professor of Cultural Lusophone Studies in the Department of Spanish and Portuguese Studies of the University of Minnesota. This performance was part of the African Musics of the Portuguese and French-speaking Word conference. 
In 2011, Fernando Arenas published the book "Lusophone Africa-Beyond Independence" (USA), featuring a whole chapter dedicated to Carmen Souza and Theo Pascal's music and unique sound identity mixing Cape Verdean creole and music roots with Jazz.
In 2014 Carmen Souza returned to the US for a residency at the University of Michigan for a set of performances and Workshops on the practice of Jazz fusion with African Roots music, particularly from the Cape Verde Islands. 
In 2017 Carmen Souza was featured in Gerhard Kubik BOOK "Jazz Transatlantic, Volume II: Jazz Derivatives and Developments in Twentieth-Century Africa" (USA), with a 7-page chapter dedicated to his encounter with Souza and Pascal music. Gerhard Kubik is one of the best-known scholars in the field of ethnomusicology and research in music, dance, and oral traditions in Africa and the Americas.

-

Other texts about Carmen Souza:

(PT) Jazz cabo-verdiano Link para o texto
Até há um par de anos não se poderia afirmar o mesmo, pelo simples facto de
que o jazz não era um fator dominante na música da dupla criativa formada por
Carmen Souza e Theo Pascal, mas com a publicação de “Epistola” em 2015 os
termos foram invertidos: o disco é mais improvisado do que todos os anteriores,
tem uma maior abertura conceptual e a colaboração de músicos da cena
jazzística de Londres. Se o que se pretendia era ocupar um lugar nesse dúbio
e enorme espaço a que mal ou bem se chama world music, os nomes da cantora
nascida em Portugal de pais cabo-verdianos e do seu compositor, diretor
artístico e contrabaixista passaram a estar definitivamente associados a essa
tendência muito definida que ganhou a
designação de world jazz.
A questão tem muito maior relevância do que a suscitada por uma mudança
de rótulos, pois coloca o projeto no centro de uma nova condição do jazz: ao
longo do trajeto de universalização que levou este dos locais Estados Unidos
para o mundo global, o género pode ter perdido alguma da sua natureza folky,
mas tornou-se glocal, ou seja, ganhou uma dupla caracterização global e local, 
por ter introduzido elementos das práticas musicais dos lugares por onde foi
passando e estabelecendo um lar. O termo glocal jazz vem da cabeça do
investigador e crítico Stuart Nicholson, autor do livro Jazz and Culture in
a Global Age. Na continuação das reflexões aí expostas, quem surge, em
Beyond Independence: Globalization, Postcolonialism and the Cultures of
Lusophone Africa, de Fernando Arenas, como um exemplo em destaque?
Carmen Souza, precisamente, a jovem que tentava cantar o grande hino de
Cabo Verde, Sodade, à sua maneira, com a pretensão de inovar a tradição
das ilhas atlânticas do Continente-Mãe.
A apaixonada pelas vozes de Billie Holiday, Ella Fitzgerald e Nina Simone
que acabaria por ter no seu repertório um outro cartão-de-visita, este vindo dos
territórios do jazz: Song For My Father, escrito por um tal de Horácio Tavares da
Silva, assim batizado, mas conhecido por todos como Horace Silver.
O mais emblemático dos pianistas do hard bop era um notável filho da
diáspora cabo-verdiana no outro lado do oceano. E o certo é que Carmen faz justiça ao tema, pois é ao seu próprio pai embarcadiço que se refere nas suas já
habituais interpretações, dando largas à tristeza que sentia por, na infância e na
adolescência, não o ver durante longos períodos. A bela canção torna-se algo
de muito pessoal, algo que a convida a juntar a sua alma à que já lá se encontrava. É um dos poucos casos em que, no repertório de Carmen, se carrega o sobrolho. Regra geral, o tom é alegre, positivo, cheio de esperança.
Isso diz tudo sobre a forma de estar, na música e na vida, de Carmen Souza:
a sua expressão vocal, a força das suas palavras, escritas em crioulo, português,
francês e inglês, têm alcance espiritual, e este revela um propósito missionário
muito cristão, fazendo-nos lembrar que ela foi em tempos membro de
um coro de gospel.
O desejo já não é apenas mudar a música de Cabo Verde, mas inventar um jazz cabo-verdiano, o que pode passar pelo aproveitamento de composições como Donna Lee, de Miles Davis, o standard coltraneano My Favorite Things ou, não podia faltar, Cape Verdean Blues, de Horace Silver.
Para tal efeito, Souza e Pascal não seguem aquele rumo em que “música
popular” significa música sem riscos e destinada a agradar por via da facilidade.
Os improvisos da vocalista podem ser bastante audazes e complexos,
remetendo-nos para a mais endiabrada Maria João. O vocabulário que utiliza
é vasto, e impressiona a maneira como o seu registo alto e espesso se transforma
numa representação de menina.
Em termos de composição e arranjo há ainda muito que se diga nesta umas
vezes saltitante, outras vezes contemplativa, combinação de fórmulas do
jazz-funk-rock (curiosamente, uma área de estudo de Stuart Nicholson
para caracterizar o poli-estilismo musical desde a década de 1970), do
jazz latino, do soul jazz, do afrobeat, com influências que vão de Thelonious
Monk, Charles Mingus e Joe Zawinul a Hermeto Pascoal, Fela Kuti e Ornette
Coleman.
Pascal conseguiu finalmente realizar o que não lhe tinha sido possível
nos oito anos em que trabalhara com a também cabo-verdiana Sara Tavares.
Algo de tão marcante quanto isto: voltar a conferir etnicidade a uma
música, o jazz, que a tinha perdido numa evolução que por um lado a
intelectualizou e, por outro, a distanciou das raízes africanas, e tanto assim que
atualmente os músicos de jazz negros são uma minoria, tal como, inclusive,
o público que assiste aos concertos.
Não surpreende, portanto, que o duo tenha conquistado a admiração de gente
dos mais variados quadrantes do gosto. Até de David Sylvian, figura histórica
da pop inteligente que tem convidado a trabalhar consigo improvisadores como
Evan Parker e músicos eletrónicos como Christian Fennesz. Disse o ex-Japan:
«Carmen Souza canta no seu dialeto crioulo nativo com uma intimidade,
uma sensualidade e uma vivacidade de extrema leveza. A sua música tem uma
enganosa simplicidade e uma claridade rara que derivam de uma mistura única
de influências da sua ancestralidade cabo-verdiana, do jazz e da soul, criando
este híbrido belo, vibrante, tendencialmente acústico e bastante acessível.»
Não deixa de ser sintomático, este apreço: o cantor não-jazz que aparentemente
os apreciadores do jazz mais admiram está atento ao que se passa no
jazz glocal, confirmando que o processo de localização da globalidade não só não
está a dividir a «música clássica norte-americana» (Duke Ellington dixit) em
múltiplos e desviantes “jazzes” ou “abstrações”/ “estilizações” do jazz, como
vem tendo como consequência uma aproximação das músicas existentes no
mundo. O glocalismo revela-se como um fenómeno de diversidade integrada,
por assim dizer, e é de vários lados que se ouve o que Souza e Pascal têm para
oferecer. Ora vamos lá a isso."
Rui Eduardo Paes
Ensaísta, crítico de música,
editor da revista online jazz.pt

(PT) Carmen Souza BIO 
Carmen Souza nasceu em Lisboa (1981)numa família cristã cabo-verdiana.
Muito cedo experimentou a sodade, por causa das ausências do seu pai, que
trabalhava no mar. Cresceu rodeada da maneira de viver cabo-verdiana, mas
em que o crioulo se misturava com o português.
Na sua adolescência cantou profissionalmente num Coro Gospel lusófono.
Sendo uma pessoa profundamente espiritual, Carmen sempre entendeu
a música como a sua missão de vida, sentindo-se privilegiada por ter a oportunidade de se exprimir através dela, trabalhando arduamente todos os dias
para merecer essa oportunidade. Na sua procura de uma voz própria foram
importantes os músicos Luís Morais e Theo Pascal, mas também ouvir e
estudar gravações dos grandes do jazz, como Ella Fitzgerald, Billie Holiday,
Nina Simone, Herbie Hancock, Keith Jarret, Bill Evans, Miles Davies, Horace
Silver e outros.
Theo Pascal, o seu produtor e mentor, um excelente baixista, descobriu o
talento de Carmen e introduziu-a no jazz e noutros sons contemporâneos
que muito influenciaram o seu percurso musical.
Em 2003, com 22 anos, começou a trabalhar com Theo nos temas que
seriam incluídos no seu álbum de estreia Ess ê nha Cabo Verde.
Carmen queria criar um novo som, usando o crioulo, a partir dos vários que assimilara (música de Cabo Verde, ritmos tradicionais africanos, jazz), um som
íntimo e acústico, diferente da música festiva tradicional de Cabo Verde.
O disco foi finalmente editado em 2005. Apesar de primeira obra, recebeu
inúmeras críticas elogiosas que justificaram o início de uma carreira internacional, atuando no festival Womad desse ano.
Verdade foi o seu segundo álbum, publicado em 2008, um empolgante e
vibrante repertório melódico, também muito bem recebido pela crítica
estrangeira.
Em 2010 sai o terceiro álbum, Protegid em que prossegue o seu caminho
de fusão, cada vez mais próprio, único, expandindo os limites da música
cabo-verdiana, da música do mundo e do jazz. Coproduzido por ela, nele toca
guitarra e fender rhodes e assina, em parceria com o Theo, onze dos doze temas incluídos no álbum.
Em Protegid, a singular abordagem vocal e as corajosas escolhas musicais, justificaram que fosse comparada a cantoras como Billie Holiday, Nina Simone, Cleo Laine, Earth Kitt, Marie Daulne.
O seu talento único como cantora e letrista colocou-a num lugar à
parte na cena das cantoras cabo-verdianas, ao mesmo tempo que consolidava o
seu próprio estilo.
O álbum recebeu ainda melhores críticas, se o podemos dizer, do que
os anteriores. Por todo o mundo a imprensa reconhecia que alguma coisa
nova estava a desenvolver-se. O World Music Central – dos mais reputados
sites de música do mundo – considerou o CD um marco que iria fazer não
só crescer o entusiasmo pela música cabo-verdiana, como refletir sobre ela,
repensar tudo o que nos faz gostar dos sons de Cabo Verde.
O NPR (outro
famoso site de música do mundo) sentenciou: “abre-se uma janela para
um outro mundo”; e o The Independent considerou que “a voz poética é tão
original, como a voz musical”.
Entre outras distinções, Protegid foi nomeado para o Prémio dos críticos
alemães de discos, entrou nas listas dos melhores do World Music Charts
Europe (WMCE) (um site que reflete as escolhas de especialistas em música do
mundo de estações de rádio de 24 países europeus), foi pré-nomeado para os
Grammy e incluído em numerosas listas dos melhores discos do ano de world
music. Entretanto, ainda em 2010, foi reeditado Verdade, que também esteve
nas escolhas do WMCE.
A par do seu trabalho discográfico, desde 2005 que Carmen Souza percorre
o mundo em digressões sucessivas, participando em festivais como o North
Sea Jazz Festival, o London African Music Festival ou o Laverkusener JazzTage Festival. Vários dos seus concertos foram transmitidos por algumas das
mais importantes estações de rádio e televisão. O seu trabalho foi motivo de
estudo e investigação por etnomusicólogos.
Um deles, Fernando Arenas, da Universidade de Minnesota, publicou
Beyond Independence: Globalization, Postcolonialism, and the Culture of
Lusophone Africa, em que dedica várias páginas a Carmen Souza.
O ano de 2011 começou com uma participação especial na RAI UNO,
no Concerto da Epifania, transmitido para milhões em Itália, seguido de mais
digressões pela Europa, Estados Unidos, Canadá, Brasil, Cabo Verde.
Saliente-se que nos EUA cumpriu 14 datas em vários Estados e abriu os festivais de jazz de São Francisco e de Monterey (a sua atuação foi transmitida pela
rádio, facto até aí inédito na história do Festival), participando também no
Festival de Montreal.
No início de 2012 Carmen e Theo gravam um dueto ao vivo, em Londres,
com versões, muito simplificadas no acompanhamento, de canções de
álbuns anteriores. London Accoustic Set foi também muito bem recebido pela
crítica e o público. Metade das receitas das vendas foram entregues às aldeias
de Crianças SOS em Cabo Verde e à UNICEF do Brasil.
Em setembro de 2012, o seu quarto álbum, Kachupada, foi editado em
França e na Alemanha. Em França entrou diretamente na lista dos mais
vendidos da WMCE e foi n.º 1 de vendas na Amazon francesa, sendo distinguido
por várias revistas da especialidade. Na Alemanha o disco foi lançado através
de uma prolongada digressão e, entre outras distinções, o álbum foi considerado
o melhor disco da semana por várias rádios.
O concerto que com grande êxito realizou na Culturgest em
janeiro de 2014, baseou-se nesse álbum. Kachupada valeu a Carmen Souza ter
sido distinguida em Cabo Verde com os prémios 2013 para melhor cantora e
melhor morna.
O concerto que, com Theo Pascal, apresentou em 2014 no Festival de
Jazz de Lagny, em França, deu origem a um CD e DVD, Live at Lagny Jazz
Festival, também recebido com elogios e distinções da crítica. Esteve na lista
dos 10 álbuns mais vendidos na Amazon de França e da Alemanha e na Fnac de
França. À saída do disco seguiu-se uma digressão de 68 concertos por todo o
mundo.
Epistola, é apresentado em nome dos dois músicos, Carmen e Theo, o que acontece pela primeira vez em anos de trabalho conjunto. Nasceu
e foi apresentado em 2015, no Festival Jazzahead de Bremen.
O CD foi Álbum da Semana (4 estrelas) do site Music Story, fez parte dos 10
melhores CDs do mês da Mezzo TV, dos dez melhores CDs da semana da estação
de rádio nacional Bayern2 Kultur, etc.
Inquestionavelmente, Carmen Souza é hoje uma personalidade forte da
world music e uma das cantoras de jazz de mais sucesso.
Como disse alguém,
«Carmen Souza não precisa de decidir se a sua música é jazz ou “Música do
Mundo”. O seu estilo é tanto único como convincente e as suas raízes cabo-
-verdianas são evidentes como o seu desejo de criar uma nova linguagem sob
a marca “Música do Mundo”.»

Carmen Souza BY DOMINGOS MORAIS Portuguese Ethnomusicologist

"Esta voz opta por cantar em crioulo de Cabo Verde, essa língua franca derivada do português de seiscentos, adaptado e miscigenado com as línguas dos povos de África, Ásia e América Latina. Escolha arrojada, temerária, que afirma sem hesitação que se pode ser cidadã do Mundo continuando a sonhar e a escrever na língua afectiva da infância. E é a primeira revelação. Os textos são densos, prenhes de vida, tirando todo o partido de uma língua por inventar mas que tem em alguns escritores e poetas cultores dedicados. Eugénio Tavares, Baltasar Lopes e Corsino Fortes têm em Carmen Souza uma inesperada continuadora na poesia e prosa em crioulo.
A resultante é um discurso musical fluente, marcado por diversas influências e pelo virtuosismo controlado dos músicos. É patente a preocupação em não recorrer ao efeito fácil e estereotipado. E o equilíbrio dos arranjos para os instrumentos presentes em cada faixa revela o cuidado e a arte destes excelentes profissionais.
Mas é na Voz que reside talvez o mais original atributo destas músicas. Expressiva, capaz de dizer estes belíssimos textos sem que se perca uma única sílaba e dando-lhes uma intensidade impressionante. Os registos tímbricos revelam domínio e sensibilidade que passa por estados de alma de difícil tradução musical. Mesmo quando em “Magia ca tem” nos canta em Inglês transportando-nos para os universos intimistas das grandes intérpretes norte americanas.
Autores e intérpretes de Cabo Verde são reconhecidos pelo seu contributo para a renovação da cena musical mundial. Ganham agora esta inesperada adesão de uma autora e intérprete que inova, abre novos horizontes e rompe com a facilidade de caminhos já percorridos."

(Eng) 
"This voice chooses to sing in Creole of Cape Verde, the language derived from the Portugal of the 600’s, adapted and mixed with the languages of the cultures of Africa, Asia and Latin America. Bold Choice, reckless, from who affirms that one can be a citizen of the world and continue to dream and write in the language of the emotional childhood. And it is the first revelation. The texts are dense, pregnant with life, taking full advantage of a language to be invented but that takes some writers and dedicated cultured poets. Eugenio Tavares, Baltasar Lopes and Corsino Fortes have in Carmen Souza an unexpected continuum in poetry and prose in Creole.
The result is a fluent musical speech, marked by various influences and controlled by the virtuosity of the musicians. There is a clear desire not to use the easy and stereotypical effect. And the balance of the arrangements for the instruments present in each track shows the care and art of these great professionals.
But it is the voice that is perhaps the most unique attribute of these songs. Expressive, able to tell these wonderful texts without losing a single syllable and giving them an impressive intensity. The timbre records show domination and sensitivity that goes through states of mind difficult to translate musically. Even when singing in English in “Magia ca tem" she carries us into the intimate universe of the great North American interpreters.
Authors and performers of Cape Verde are recognized for their contribution to the renewal of the world music scene. They win now this unexpected accession of an author and artist who innovates, opens new horizons and breaks with easy paths already crossed."